Tequila - 7 mitos que você achava que eram verdades

Desde que lançamos nosso blog, temos falado bastante sobre a protagonista da Quetzalli: a tequila. Afinal, um ingrediente fundamental para a existência desse drink perfeito merece uma atenção especial. 

Passamos por alguns conhecimentos básicos, pelo processo de produção, e contamos um pouquinho da história desse destilado tão famoso. Um pouquinho não, um montão na verdade! Se quiser conferir essa história, ela está dividida em 3 partes: parte 1, parte 2 e parte 3.

Hoje, vou ser um pouco monotemática e também vou falar sobre ela, mas de uma forma um pouco diferente das que já abordamos.

Quando falo essa palavrinha mágica, aposto que pelo menos duas coisas aparecem imediatamente na sua cabeça: shots e México. Acertei? Minha cabeça lúdica vai um pouco além e acrescenta aos shots e ao México aquela famosa brincadeira (ou seria um ritual?) arriba, abajo, al centro y adentro. 

Posso não ser expert no assunto, mas como boa curiosa que sou, fui investigar alguns mitos para compartilhar aqui com você. 

Se você é super fã desse destilado (ou se já leu todas as matérias do nosso blog =P ), talvez você não se surpreenda tanto, mas tenho certeza que vai curtir a leitura mesmo assim.

Descobri que são vários os mitos que envolvem essa bebida. Temos mitos relacionados ao consumo, mitos sobre o próprio destilado, e (pasmem!) um mito que envolve larvas. Isso mesmo: larvas.

Sem mais enrolação, vamos lá!

 

1. A Tequila é feita de cacto 

 Muita gente acredita que a tequila é produzida a partir do cacto. Se você também acha isso, sinto informar que você se enganou! A matéria-prima utilizada para produzir essa bebida é uma planta chamada Agave tequilana Weber, mais conhecido como agave azul. Essa planta é muito mais próxima de um aspargo do que de uma cacto ou de um abacaxi. Quê?! Sim, aspargo. A Agave Tequilana pertence a família Aspargacea (vide imagem).  

Caso você queira saber um pouquinho mais sobre o processo da produção da tequila, recomendo que você leia esse post que o Clayton Szczech, especialista na cultura de destilados de agave, escreveu pra gente. A explicação dele com certeza é melhor do que qualquer coisa que eu escreva aqui ;)

Jimador retirando a agave dentro da plantação de agave azul 

 

2. Pode ser produzida em qualquer lugar

Será?

Não. Ela não pode ser produzida em qualquer lugar! Para ser considerada tequila, não só ela deve ser produzida no México, como também em uma região específica desse país.

Como disse nosso amigo, o especialista Clayton Szczech, no post que citamos acima, ela é o mezcal mais conhecido no mundo e, assim como o Scotch, o Cognac, o Champagne e a cachaça, é uma bebida de "Denominação de Origem". Isso significa que, legalmente, ela só pode ser produzida em determinadas regiões do México, sendo estas todo o estado de Jalisco e algumas partes dos estados de Guanajuato, Michoacán, Nayarit e Tamaulipas. 

Ou seja, se alguém falar que produz tequila aqui no Brasil, desconfie! É cilada, Bino!. 

 

3. Todas são iguais

Não, nem toda tequila é igual. Existe a tequila 100% agave e existe a tequila. 

Antigamente conhecida como mixto, a tequila é uma mistura de tipos de açúcares diferentes, sendo que no mínimo 49% deve ser do agave azul e o restante pode vir de outras fontes (como cana de açúcar ou beterraba, por exemplo). Essas a gente encontra com facilidade no mercado, são mais comuns. Quanto maior a porcentagem de agave azul, mais “pura” e menos ressaca ela vai te dar.

Já a tequila 100% agave deve, obrigatoriamente, ser 100% extraída do agave azul. Ela costuma ser bem mais saborosa e dificilmente vai te deixar de ressaca (a não ser que você exagere muito na dose). Para saber se é 100% agave basta prestar atenção no rótulo. Se só estiver escrito tequila, é porque tem mistura de outros álcoois. Se estiver escrito tequila 100% agave, aí é sucesso na certa ;)

 

4. Se é gold (ouro), é melhor

    O ouro é mundialmente conhecido como algo muito valioso. Jóias de ouro, medalhas de ouro, enfim, tudo de ouro costuma ser melhor. Mas, essa regra não vale para o destilado protagonista da Quetzalli. O fato da tequila ser gold significa apenas que ela é diferente da prata. E qual é a diferença?

    A prata, também conhecida como branca, não passa por processo de envelhecimento após a destilação, podendo ficar em contato com barris de carvalho por no máximo 60 dias. Como ela não é armazenada por muito tempo, nem recebe outros tipos de componentes, costuma ter o gosto real do agave azul, sendo o melhor tipo para ser utilizado em drinks. É este tipo que usamos na fórmula da Quetzalli ;)

    Já a gold, de acordo com o especialista Clayton Szczech, normalmente é do tipo mixto. Costuma ser uma tequila blanco em que se adiciona sabor e corante caramelo, o que dá aquela cor amareladinha ao líquido. No caso de uma tequila 100% agave, ela se torna oro quando é uma mistura entre uma blanco e outra classe de tequila, que já possui uma coloração mais amadeirada.

    Se você quiser saber mais sobre as diferentes classes, segue uma dica bem legal de leitura: Tequila 101 - conhecimento básico sobre tequila.

     

    5. Deve sempre ser servida em shot e tomada com limão e sal

      Essa é a imagem mais tradicional que nós, não mexicanos, temos gravada na nossa memória a respeito do consumo da tequila: shot + limão + sal. Mas, se você já tomou Quetzalli, você sabe muito bem que existem outras formas de se consumir esse destilado.

      A tequila pode ser tomada pura. Neste caso, você pode saborear bebendo aos poucos e não precisa necessariamente virar tudo de uma vez (a não ser que seja uma de péssima qualidade, nesse caso, te aconselho a virar rapidinho ou a nem beber!). Inclusive, no México, acontece do pessoal colocar a garrafa em um balde de gelo e ir apreciando sua dose no caballito bem devagarinho!

      Ela também pode ser utilizada para fazer drinks deliciosos. É um destilado que se mistura muito bem a outros ingredientes, criando um perfil suave e beeeem saboroso. Taí a tradicional Margarita, Paloma e Sunrise que não me deixam mentir, e o melhor e mais delicioso de todos os drinks: a Quetzalli ;)

      Nossa queridinha, além de ser um drink pronto feito com tequila, também pode ser utilizada para  fazer outros drinks, para quebrar a rotina e agradar a todos os paladares!

       

      6. Nas garrafas tradicionais têm uma larva

        É mito quando o assunto é tequila. Já quando o assunto é mezcal... Algumas marcas de mezcal costumam introduzir o gusano (larva da mariposa) dentro da garrafa. Esta larva, que normalmente se desenvolve no meio das plantas do agave, mantém-se intacta quando submetida a determinado teor alcoólico na bebida.

        Mas, podemos ficar tranquilos, porque a legislação mexicana proíbe o uso de insetos ou larvas na tequila. Ainda bem, porque não seria nada agradável ver uma larvinha boiando na sua Quetzalli, não é mesmo? 

        Se você ficou curioso pra saber um pouco mais sobre a história dessa larvinha, esse artigo fala um pouquinho mais a respeito ;)

         

        7. É uma bebida muito forte! 

        Se compararmos tequila a outros destilados ela não é o mais forte. Seu teor alcoólico costuma variar de 38 a 40, podendo chegar a 54%, de acordo com a legislação mexicana. Só para você ter uma ideia, a nossa brasileiríssima cachaça contém teor alcoólico de 38 a 48%. O do whisky varia entre 40 e 75% e do gin entre 37,5 e 50%. 

        No caso da Quetzalli, o teor alcoólico é 17%, bem próximo ao teor de um vinho tinto. 

        Espero que você tenha curtido essas curiosidades! E se você conhecer algum outro mito, compartilha aqui com a gente ;)

        Deixe um comentário

        Observe que os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados

        Buscar nosso site

        Carrinho de compras