Tin tin: a história oral do brinde – Quetzalli

Tin tin: a história oral do brinde

Tin tin:
a história
oral do brinde


Você já parou para pensar no porquê do brinde chamar brinde? E porque desejamos saúde? Faz algum sentido que o termo em inglês seja toast, ou seja, torrada? Assim como outras palavras e tradições do cotidiano, essa está cercada de histórias misturadas e conflitantes. O folclore em torno do ritual pré-bebida é multicultural: dizem que surgiu no Egito Antigo, que mudou durante a Idade Média e que até reis tiveram influência sob a tradição. O que é realmente verdade é impossível saber, mas como toda boa história, tem um final feliz.


Oferendas
aos deuses

Gregos e romanos tinham um deus do vinho, Dionísio/Baco. Então, claro, para homenageá-lo, era essencial beber e comemorar. Na Grécia, os copos eram levados ao alto para sinalizar oferenda aos deuses do Olimpo. Já em Roma, o certo era dividir um pouco: os romanos derramavam vinho sobre as mesas e o chão como oferenda a Baco.  Muito comum em banquetes importantes, como por exemplo após a morte de alguém. Daí a ideia de brindar pela saúde: os vivos ofereciam vinho aos deuses como forma de proteção. Outro mito que surgiu de Dionísio foi o dos sentidos: beber com pessoas queridas desperta o paladar, a visão, o tato e o olfato. Mas falta a audição, certo? E se não dá para escutar o vinho, bem, escutaremos o brinde!


Fim da Guerra

Uma história mais macabra das origens do brinde é a do final dos conflitos na Idade Média. Como forma de provar que o cessar-fogo era oficial, ao fim de uma guerra antigos reis realizavam um banquete.  Para provar que a bebida não estava envenenada (o que era uma forma comum de assassinar inimigos na época), o vencedor levantava a taça e bebia dela primeiro. Da mesma forma surgiu a tradição de bater uma taça na outra: se você tentasse envenenar alguém, iria literalmente ter que engolir as consequências.


Torradas ao alto

A expressão em inglês para fazer um brinde é to raise a toast, literalmente levantar uma torrada. Que torrada é essa? Bom, essa história vem também da Idade Média. Não existiam técnicas avançadas de produção de vinho na época, muito menos de higiene. Isso resultava em um vinho ácido e com detritos, o que, claro, não era tão legal de beber. Mas ao invés de ficar na sobriedade, as pessoas na Inglaterra resolveram de outro jeito: colocar um pedaço de pão na taça ajudava a cortar a acidez (por causa do fermento do pão) e filtrar as sujeiras indesejadas. Outra expressão em inglês que chegou a nós é o bottoms up, que significa de cabeça para baixo. Ou, em expressão brasileiríssima, virar o drink.


Salute, salud, Prost!

E a palavra brinde em si? Bom, essa tem uma controvérsia multinacional. Há os que dizem que surgiu para homenagear a cidade Brindisi. Para os hispanohablantes, a expressão é hacer un brindis, então faz muito sentido que o português tenha adotado a ideia. Uma teoria mais inusitada é a alemã: brinde é um derivado de ich bring dir (tradução literal: eu trago a você), uma expressão usada para significar eu bebo em sua homenagem. Tradicionalmente alemães batem canecas de cerveja à mesa para sinalizar esse apreço ao próximo. Então, provavelmente, é uma mistura de todas essas histórias. Se hoje alguém levanta o copo em brinde, é porque pessoas ao redor do mundo já fizeram isso em várias línguas antes.

“Arriba, abajo, al centro, y adentro!”

O movimento da tequila

Se o vinho é levado aos céus e a cerveja bate na mesa, e a tequila? Bom, depende de como você vai consumir, claro! Aqui na Quetzalli acreditamos que a tequila é uma bebida versátil e por isso criamos um drink à base dela, honrando sua multiplicidade. Um dos brindes característicos da tequila é o “Arriba, abajo, al centro, y adentro!”. Ele acompanha um ritual: pegue seu copo, levante ao alto, puxe de volta, leve ao centro com o copo dos amigos (tin tin!) e volte, colocando a bebida para dentro. Ainda que a tequila mereça ser saboreada além de shots, o ritual em si é válido: afinal, dividir com os amigos é sempre mais divertido, né?

Rituais e união

Deu para notar que apesar das origens serem incertas, o ritual de brindar é uma história humana? O legal disso tudo é que, desde o começo, era uma forma de homenagear o que importa, desejar saúde e selar amizades. Dividir um espaço à mesa, confraternizar e celebrar é uma tradição que percorre épocas, continentes e idiomas. Da próxima vez, você já sabe: saúde! Sabia que a Quetzalli surgiu para comemorar bons momentos? Conheça nossa história!

Deixe um comentário

Observe que os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados

Buscar nosso site

Carrinho de compras

Carregando Ambiente Seguro